terça-feira, agosto 22, 2006

O Adeus...

A tarde estava nublada, mas batia um vento agradável em seu rosto. Tommie esteve andando pelas ruas da cidade o dia todo. Sem rumos ou direções, apenas andando. Não se lembrara nem da última rua pela qual andou. Sentou-se num banco, que beirava uma praça, onde alguns vendedores ambulantes sentados de joelhos sobre seus tapetes, expunham suas mercadorias artesanais. Um desses tapetes com mercadorias lhe chamou atenção. Tommie levantou-se e chegou perto, pegando um livro nas mãos. Era um livro simples, de brochura, mais ou menos umas duzentas páginas. Olhou bem a capa. Por um súbito momento lhe bateu um frio na espinha, e suas mão tremeram. Algo familiar naquele livro lhe causou um repentino choque. Mas que estado de choque, ele estava paralisado, olhos envidrados.

Tommie estava perplexo com o que estava vendo. Segurava em suas mãos um livro azul, intitulado “As aventuras de Willy Caolho & Jack” assinado por Tommie Skrew Swamp. Era impossível existir tal livro. Esses eram o nome e as histórias de Tommie. Ele escrevia apenas para um periódico, junto com alguns amigos. Nunca imaginou algum dia ver seus personagens ganharem espaços em páginas de livros.

Mas não entendia como aquelas histórias chegaram a ser publicadas, ainda mais sem seu consentimento. Parecia uma criança folheando o livro, e a cada página que via lia coisas totalmente familiares. Suas histórias. Seus personagens. Suas palavras. Suas idéias.

Por um momento sentiu saudades, e algumas lágrimas caíram de seu rosto. Tommie fechou os olhos e lembrou-se de uma frase que criara para um de seus personagens: “quando morremos deixamos de existir”.

Tudo ficou tão lógico. Tommie entendia o porque era possível existir aquele livro.

Fechou-o e o colocou de onde havia retirado, e chorando, partiu andando. Sem direções ou rumos.




Tommie Skrew Swamp morreu dia vinte e um de agosto de dois mil e seis, no escritório de sua casa, enquanto escrevia a última história de Willy Caolho & Jack.

9 Comments:

Anonymous aochocolate said...

:)

22 agosto, 2006 19:27

 
Blogger luma said...

Lembro de outra frase: "Morremos um pouquinho a cada dia"
Beijus

22 agosto, 2006 22:32

 
Blogger Manoel van Pelt said...

adieu, mon frère

23 agosto, 2006 11:33

 
Anonymous aochocolate said...

maneco, mon cheri
ti n'est pas petit mais tu parle français

:)

23 agosto, 2006 11:38

 
Blogger Luci said...

não creio que deixamos de existir... continuaremos a viver através das pessoas que se lembram de nós, dos nossos escritos...
se assim não fosse, a vida seria muito sem graça!
bjs!

23 agosto, 2006 14:40

 
Blogger Siena said...

eu morro
mas a alma
essa memória de cada um
vive para sempre
até ser esquecida

26 agosto, 2006 01:57

 
Blogger Siena said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

26 agosto, 2006 02:01

 
Blogger Siena said...

add nos meus links ;D

Simbolos Algébricos

26 agosto, 2006 02:04

 
Blogger Roy said...

Adeus Tommieeeee

28 agosto, 2006 08:10

 

Postar um comentário

<< Home